O sotaque catarinense que desde março de 2011 foi o som do pastoreio da Igreja Católica de Salvador sairá de cena. Nesta quarta-feira (11), dom Murilo Sebastião Ramos Kriger, arcebispo de Salvador e Primaz do Brasil, teve seu pedido de renúncia do cargo aceito pelo papa Francisco e deixará o posto. O comunicado foi divulgado pela Arquidiocese de Salvador, às 8h, após autorização do Vaticano, e encerra o legado de nove anos de dom Murilo no comando da primeira arquidiocese do Brasil. Será o fim de um legado pacificador.

O religioso havia pedido sua renúncia, em outubro de 2018, quando completou 75 anos – idade estipulada pela igreja para que os arcebispos se aposentem. Hoje, com 76 anos, dom Murilo recebe a concessão da aposentadoria do cargo e passará nos próximos dias o comando da arquidiocese para dom Sérgio da Rocha, 60, que atualmente é arcebispo de Brasília. A notícia foi divulgada em primeira mão pelo jornal CORREIO nesta reportagem no site.

A partir de hoje e até o dia da posse do novo arcebispo, dom Murilo passa a ser o administrador apostólico da Arquidiocese de Salvador.

Catarinense, nascido na cidade de Brusque, dom Murilo chegou em Salvador em 2011, já com 14 anos de experiência na função de arcebispo. Sua primeira Arquidiocese, em Maringá (PR), foi em 1997, aos 53 anos. Cinco anos depois, em 2002, foi transferido para Florianópolis e aos 67 dom Murilo assumiu a Arquidiocese de Salvador. Deixará como legado a empatia com os baianos aliada ao jeito acolhedor, mas também sistemático. Um destaque para sua pontualidade. “Sou um homem que acorda cedo, meu filho”, costuma dizer.

Em nota oficial, dom Murilo deixou mensagem para dom Sérgio. “O Senhor Bom Jesus do Bonfim, que com seus braços abertos acolhe todos os que sobem a Colina Sagrada, acolha este irmão que vem para a Bahia! Nossa Senhora da Conceição da Praia, Padroeira deste Estado, interceda por este seu filho! E Santa Dulce dos Pobres seja para o cardeal Dom Sérgio um exemplo de como ‘amar e servir”.

Fonte: Correio 24h

Deixe seu Comentário